| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

Psicologa Rosangela Durão de Freitas
Desde: 12/09/2009      Publicadas: 13      Atualização: 17/09/2009

Capa |  psicologa  |  psicologa rosangela durao de f


 psicologa
  12/09/2009
  0 comentário(s)


FILHOS ADULTOS DE ALCOÓLICOS
O que é um filho adulto?
FILHOS ADULTOS DE ALCOÓLICOS

O que é um filho adulto?

O termo original em inglês carrega um duplo sentido (Adult child, que pode ser traduzido como filho adulto ou criança adulta) : O Adulto que é envolvido pelos medos e reações de uma criança, e a criança que foi forçada a ser um adulto sem passar pelos estágios naturais do desenvolvimento que resultam em um adulto saudável.
Em 1969, a terapeuta canadense Margaret Cork ofereceu o primeiro estudo moderno sobre as crianças de famílias de alcóolicos em "As crianças esquecidas".
Em Nova Iorque, 1977, um pequeno grupo de membros de al-anon descobriram que eram todos filhos de alcoólicos. Eles iniciaram o primeiro encontro de "Filhos Adultos de Alcoólicos".
No fim dos anos 70 uma terapeuta de New Jersey começou a trabalhar com um grupo formado por adultos que haviam crescido em lares nos quais havia um alcoólico. O resultado desse grupo foi o livro "Adult Children of Alcoholics" escrito por Janet Geringer-Woititz. Em seu livro, a Dra. Woititz descreve as características básicas de um Filho Adulto de Lares Alcoólicos. Sua lista era baseada em observações feitas em um grupo de pacientes filhos de alcoólicos que ela coordenou. Sua lista de características e a Laundry List (algo como a lista da lavanderia ou lista de roupa suja para se lavar) usadas em encontros de Filhos Adultos em Nova Iorque, se espalhou por vários lugares dos pais para ser modificada e ressurgir no encontro mundial de 1984 da Organização Mundial Adult Child of Alcoholics, na conferência de serviços e veio a se tornar conhecida como "O Problema"

"O Problema"

Muitos de nós encontramos várias características em comum como resultado do crescimento em um lar alcoólico ou disfuncional.
Nós viemos a nos sentir isolados, desconfortáveis com pessoas, especialmente aquelas que representavam qualquer tipo de autoridade. Para nos protegermos, nos tornamos agradadores, mesmo que nossa identidade tenha se perdido no processo. Da mesma forma, nos poderíamos encarar de forma equivocada criticas pessoais como uma ameaça.
Alguns se tornaram alcoólicos, outros se casaram com um deles, ou ambos. Falhando essas alternativas, nós encontramos outra personalidade compulsiva como um workaholic, para preencher nossa necessidade doentia de abandono.
Nós vivemos a vida do ponto de vista de vitimas. Desenvolvemos um super senso de responsabilidade e preferimos nos preocupar com os outros a nos preocuparmos com nós mesmos. De alguma forma temos sentimentos de culpa quando nos preocupamos mais com nós do que com os outros. Deixamos de agir e passamos a reagir, deixando para os outros a tomada de iniciativa.
Tínhamos personalidades dependentes - aterrorizadas pelo abandono - com o desejo de fazer quase tudo para permanecer em um relacionamento para não nos sentirmos abandonados. Ainda permanecemos escolhendo relacionamentos inseguros porque eles iam de encontro aos relacionamentos na nossa infância com os pais alcoólicos ou disfuncionais.
Esses sintomas da doença da família nos fez "co-vitimas" - aqueles que pegam as características da doença sem necessariamente possui-la. Nos aprendemos a manter nossos sentimentos escondidos como crianças e mantê-los enterrados como adultos. Como resultado desse condicionamento, nos confundimos amor com piedade, tendo a tendência a amar aqueles que poderíamos "salvar".
Mesmo que auto derrotista nos torne adictos da excitação em todos os setores de nossa vida, preferindo o stress constante a soluções que poderiam ser trabalhadas.
Esta é uma descrição. Não uma acusação.

"A Solução"

A SOLUÇÃO É VOCÊ MESMO SER O SEU PAI/MÃE AMOROSO

Como FAA se tornou um lugar seguro para você, aqui encontrará a liberdade para expressar todos os medos que você tem mantido dentro de você e o libertar da vergonha e responsabilidade do passado que o tem sobrecarregado. Você será um adulto que não é mais aprisionado pelas reações infantis. Você aprenderá a recuperar sua criança interior ao se amar e a se aceitar.
O processo de cura começa quando nos arriscamos a nos livrar do isolamento. Sentimentos e memórias retornarão. Gradualmente liberando esses sentimentos escondidos, vagarosamente sairemos do passado. Nós aprendemos a nos tornarmos nossos próprios pais, nos tratando com amor, humor e respeito.
Esse processo nos permite ver nossos pais biológicos como instrumentos de nossa existência. Nosso pai atual é um Poder Superior que alguns costumam chamar de Deus. Embora tenhamos um alcoólico ou outro parente disfuncional, nosso Poder Superior nos deu os doze passos da recuperação.
Esta é a ação e o trabalho que nos cura. Nos usamos os passos, nos usamos os encontros, nos usamos o telefone. Nos compartilhamos nossas experiências, forca e esperanças com o outro. Nos aprendemos a reestruturar nosso pensamento doente um dia de cada vez. Quando libertamos nossos pais ou parentes da responsabilidade por nossas ações hoje, nos tornamos livres para fazermos opções saudáveis, agindo ao invés de reagir. Nós acordamos para um senso de unidade que nunca pensamos ser possível.
Praticando os passos e compartilhando, você vera o alcoolismo de seus pais ou outro parente disfuncional como o que eles realmente são: uma doença que infectou você quando era criança e continua a afeta-lo como um adulto.
Você aprenderá a manter o foco em si mesmo, no aqui e agora. Você será responsável por sua própria vida e será o seu próprio pai/mãe amoroso.
Você não fará isso sozinho. Olhe em volta e você encontrara outros que se sentem como você. Nos amamos e encorajamos você incondicionalmente. Nós pedimos para que você nos aceite da mesma forma que aceita você.
Este é um programa espiritual baseado na ação que vem do amor. Temos certeza na medida em que esse o amor crescer dentro de você, você verá mudanças maravilhosas em seus relacionamentos, especialmente com o poder superior, você mesmo e seus pais,
Como O Problema, muitas formas de A Solução estão em uso, editadas por grupos locais. Todas elas são tentativas de compartilhar a variedade de experiências de recuperação.
A recuperação pessoal de milhares de Filhos Adultos atesta para o fato de que não importa o quão perdido ou ferido você se sinta, você pode se recuperar!
Muitos filhos adultos dizem que eles têm um problema em começar o processo de recuperação porque acreditavam Ter sido atingidos de uma forma que não permitiria reparos. MUITOS FILHOS ADULTOS permanecem agindo de forma disfuncional simplesmente porque a dor, não importa quão grande seja, é menos ameaçadora do que o desconhecimento do que seja Ter uma vida mais saudável. Eles relatam que o caminho foi encontrado quando se deu conta de que não estavam "quebrados" e sim feridos, podendo ser tratados.
Uma das coisas mais difíceis para muitos Filhos Adultos é perceber que não há uma resposta única que sirva para todos. VOCÊ É ESPECIAL. Você é um dos filhos que nasceu com magia e agora, tem a oportunidade de encontrar essa magia novamente.

Os 12 passos

1. Admitimos que éramos impotentes perante os efeitos do alcoolismo ou de outra disfunção familiar e que tínhamos perdido o domínio sobre nossas vidas.
2. Viemos a acreditar que um Poder Superior a nós mesmos poderia devolver-nos à sanidade.
3. Decidimos entregar nossa vontade e nossas vidas aos cuidados de Deus, como nós O compreendíamos.
4. Fizemos um minucioso e destemido inventário moral de nós mesmos.
5. Admitimos perante Deus, perante nós mesmos, e perante outro ser humano a natureza exata de nossas falhas.
6. Prontificamo-nos inteiramente a deixar que Deus removesse todos esses defeitos de caráter.
7. Humildemente rogamos a Ele que removesse nossas imperfeições.
8. Fizemos uma relação de todas as pessoas que tínhamos prejudicado, e nos dispusemos a reparar os danos a elas causados.
9. Fizemos reparações diretas a tais pessoas, sempre que possível, exceto quando fazê-lo significasse prejudicá-las ou a outrem.
10. Continuamos a fazer o inventário pessoal e, quando estávamos errados, nós o admitíamos prontamente.
11. Procuramos, através da prece e da meditação, melhorar o nosso contato consciente com Deus, da maneira como nós O compreendíamos, rogando apenas o conhecimento de Sua vontade em relação a nós e forças para realizar esta vontade.
12. Tendo experimentado um despertar espiritual como resultado deste passos, procuramos levar esta mensagem àqueles que ainda sofrem, e praticar estes princípios em todas as nossas atividades.

AS PROMESSAS

1- Nós descobriremos nossas reais identidades amando e aceitando nós mesmos.
2-Nossa auto-estima irá crescer se dermos aprovação para nós mesmos diariamente.
3-O medo de figuras autoritárias e a necessidade de agradar aos outros nos deixará.
4-Nossa habilidade para compartilharmos intimidades crescerá dentro de nós.
5-Quando nos depararmos com nossos problemas de abandono, seremos atraídos pela forca e nos tornaremos mais tolerantes com as nossas fraquezas.
6-Nos aproveitaremos às sensações de estabilidade, paz e segurança financeira.
7-Nós aprenderemos a brincar e ter divertimento em nossas vidas
8-Nós aprenderemos a amar pessoas que podem amar e ser responsáveis por elas mesmas.
9-Teremos maior facilidade para colocarmos limites saudáveis
10-Medos de fracasso e do sucesso irão nos deixar na medida em que intuitivamente tivermos decisões saudáveis.
11-Com a ajuda do grupo de suporte FAA, aos poucos iremos nos libertar de nossos comportamentos disfuncionais.
12-Gradualmente com a ajuda de nosso Poder Superior, nós aprendemos a esperar o melhor e consegui-lo.

Família Disfuncional x Família Saudável

Famílias saudáveis não são um resultado de uma "infância perfeita", mas o resultado de um sistema familiar que possui regras consistentes e razoáveis, que tem uma base de confiança e respostas apropriadas as quebras destas regras,
Punição em uma família saudável não envolve cicatrizes físicas ou emocionais, e não são fora de proporção em relação a ofensa.
Filhos Adultos na maioria das vezes vem de lares onde as regras estão sujeitas aos caprichos da pessoa que esta no cômodo na hora em que ocorre. Nos poderíamos Ter recebido uma ordem do nosso pai, proibidos de fazer o mesmo pela mãe, orientado como agir de uma forma diferente por um dos avos e ridicularizado por Ter feito ou não, por um tio ou amigo da família. Como resultado, o filho adulto cresce "sabendo" que nunca vai conseguir fazer nada direito - que eles são de alguma forma defeituosos.
Numa família saudável, os pais são amorosas figuras autoritárias, que deixam bem claro o que gostam e o que não gostam, expressam livremente suas necessidades e sentimentos, são permitidos a discordar abertamente e a não serem perfeitos - tudo sem ameaçar a base de confiança e amor da qual eles são uma fonte consistente para a família. Os pais saudáveis pode cometer erros e isso não é traumático para o filho, mas uma demonstração da liberdade e honestidade de uma família saudável. Crianças saudáveis aprendem que seus pais são humanos e não são perfeitos, e a criança aprende que não é esperada perfeição dela também, mas a fazer o melhor que elas possam fazer. As crianças aprendem que podem cometer erros, e são esperadas as reparações por qualquer dano causado e após isso, aprender com a experiência.
Numa família disfuncional. os pais são figuras autoritárias, cujas palavras e ações não podem ser questionadas. Diante de erros grosseiros ou ações errôneas, o filho adulto, aprende que suas necessidades, desejos e segurança são menos importantes do que dar apoio ao sistema familiar. Independência, que é permitida em famílias saudáveis dentro de limites razoáveis, é uma afronta a autoridade dos pais disfuncionais. Filhos Adultos escutam comentários do tipo "Quem você pensa que é?" "Você nunca vai conseguir nada" e "O que te faz pensar que você é tão bom assim?"
Filhos Adultos aprendem a não exceder o nível de competência dos pais. Eles aprendem que é perigoso ser um estudante melhor, ganhar mais dinheiro, Ter uma família saudável ou ganhar reconhecimento. Os pais disfuncionais encaram esse sucesso como uma ameaça. - mostraria que eles são "menores". O filho adulto pode não se dar conta da auto sabotagem que eles aplicam em suas próprias vidas e preocupados com sua inabilidade em alcançar sucessos.
Como uma criança o Filho Adulto aprende a se comportar de qualquer maneira que
permita sua sobrevivência. O comportamento pode variar do desacato a autoridade (a romântica imagem do rebelde) , pela supressão de suas próprias necessidades ou o atendimento as necessidade de outra pessoas que continuarão a representar seus pais em suas vidas.
As crianças carregam suas primeiras impressões das normas da família com elas quando se tornam adolescentes ou adultos. Vivendo numa família disfuncional., suas bases distorcidas podem continuar a funcionar bem o suficiente para permitir a ilusão de uma família saudável. Virtualmente todos os sistemas familiares disfuncionais, de qualquer forma, estão num vagarosos espiral descendente, pedindo mais e mais energia para defender as realidades "oficiais" das famílias devidos as evidências cada vez maiores de que algo está errado.
Quando um filho de uma família disfuncional começa a entrar no "mundo real" - escola e ambiente de trabalho- eles descobrem que seus sistemas familiares não são a realidade compartilhada por seus colegas de classe e companheiros de trabalho. Muitos Filhos Adultos tornam-se pessoas solitárias ou entram em relacionamentos pouco saudáveis com outros Filhos de famílias disfuncionais. Esses relacionamentos atualmente reforça suas visões disfuncionais do mundo ao "encontrar outra pessoa que realmente entende: . As ligações profundas nesses relacionamentos são acentuadas pela falta de um senso de identidade do Filho Adulto . Eles não sabem onde ele acaba e outro começa. Como resultado eles são incapazes de definir seus limites e começam a pegar a opinião de outras pessoas, defeitos e necessidades.
Se o Filho Adulto e capaz de formar amizades duráveis (alguns nunca o fazem), e freqüentemente com outro Filho Adulto que fornece características familiares similares a disfunção familiar. Os Filhos Adultos podem ser muito vagarosos para reconhecer os padrões dos problemas da família - eles gastam boa parte de seu tempo sendo treinado pela família para não ver o problema- ate quando eles são recriados nas amizades, casamentos e relações de trabalho. Mesmo que o sintoma externo não esteja presente (alcoolismo, jogo, violência etc), o comportamento esta presente desde o começo do relacionamento.
Quando um comportamento se transforma numa disfunção completa, o filho adulto é freqüentemente um dos últimos a notar e se sente traído. "eu nunca soube que ele bebia..." "Meu Deus, ela é igualzinha minha ame!!"
Quando toma consciência o Filho Adulto pode enfrentar uma depressão e se sentir defeituoso.- "o que há de errado comigo? Como não vi isso antes". A falta das habilidades necessárias para tonar conta de si mesmo pode deixar o filho adulto com um auto-ódio intenso e uma baixa (ou inexistente) auto estima.

A Criança Interior

Uma das várias formas de recuperação bem sucedidas para Filhos Adultos envolve o conhecimento da existência da Criança Interior. A criança que era pequena, perdida, e sem esperança de fato nunca vai embora., mas fica congelada para proteger a semente especial que toda criança carrega. . Filhos Adultos em recuperação podem achar essa Criança Interior e retomar o processo de recuperação ao permitir que ela complete o trabalho de crescimento e desenvolvimento para vir a se tornar um adulto saudável.
Ao Lidar com a Criança Interior é importante saber que parte de você irá responder como uma criança. Uma criança não entende o tempo e cada sentimento completa todo seu universo e é eterno. Se um sentimento é ruim, a criança acreditará que nos sentiremos mal para sempre. Se é bom, ela também supõe que será para sempre.
O sentimento de medo preenche todo o universo da criança e experimentar como um adulto pode ser preocupante. Para entender o medo, tente se lembrar que a Criança congela quando cresce al[em de seus limites. Para você ter uma idéia desse medo, imagine um gigante furioso esperando por você em casa, sendo que você nunca sabe se ele vai atacar ou não.
A criança interior provavelmente terá medo do adulto no qual você se transformou--- Todos adulto que ela conheceu anteriormente foram prejudiciais ou trairiam ela. Você tera que ganhar o respeito da sua Criança Interior. Esse respeito será conquistado quando você tomar decisões que são boas para você e esse respeito é atualmente o começo do auto respeito.
A Criança Interior tem um trabalho a fazer e ela o fez bem. Ela fez o que era necessário para você sobreviver. Um desses trabalhos era manter com ela as memórias que você não tinha condições de lidar. Quando você se aproxima da Criança Interior, você freqüentemente acha que as memórias voltarão. Podem haver ocasiões nas quais as memórias retornam como um dilúvio, mas essa é freqüentemente uma tática para impressionar você com a enorme quantidade de lembranças, que servem para evitar que você olhe atentamente para qualquer uma delas. Você pode não recuperar as lembranças perfeitamente, mas na recuperação você tem a permissão para ser imperfeito.

Características de Filhos Adultos

Não confiar
Numa família alcoólica ou disfuncional promessas são freqüentemente esquecidas, celebrações canceladas e o humor dos pais geralmente imprevisível. Como resultado, Filhos Adultos aprendem a não contar com os outros e freqüentemente tem dificuldade em acreditar que os outros podem se preocupar em seguir seus compromissos ou promessas.

Não sentir
Devido a constante dor do desapontamento, a criança numa família alcoólica deve "parar de sentir" para sobreviver emocionalmente. Afinal qual a utilidade de se ferir o tempo todo? Nessas famílias, quando as emoções são expressas, elas são freqüentemente abusivas e estimuladas pela bebida. Essas explosões não tem resultados positivos e junto com o ato de beber, são habitualmente negados no dia seguinte. Assim, Filhos Adultos tem poucas oportunidades para ver emoções expressadas apropriadamente e usadas para estimular mudanças construtivas. Então os Filhos Adultos pensam: "por que sentir alguma coisa quando os sentimentos somente saem do controle e não mudam nada de fato? Eu não quero me ferir mais do que eu já faço".

Não falar
Filhos Adultos aprendem em suas famílias a não falar sobre boa parte de sua realidade- o ato de beber de alguém ou outra disfuncionalidade. Isso resulta na necessidade da família em negar que um problema existe e que o ato de beber ou disfuncionalidade de alguém está ligado a esse problema. Isso que é tão evidente não precisa ser comentado. Há freqüentemente uma esperança que se ninguém falar sobre o problema ele simplesmente não virá a se repetir. Também não há nada de bom para falar. E impossível falar quando um parente esta alcoolizado. Quando o parente esta sóbrio, todos querem esquecer. Desse treino desde cedo, Filhos Adultos geralmente desenvolvem uma tendência a não falar em nada desagradável.

Filhos Adultos se preocupam com o que é "ser normal"
Não há nenhuma referência para o que possa ser uma família normal. Você também não tem referências sobre o que pode ser falado e sentido. Numa situação mais saudável, você não precisa pisar em ovos todo o tempo. Por você ter feito isso, você se torna confuso. Muitos acontecimentos do passado contribuem para que você se preocupe com o que é ser normal.

Filhos adultos tem dificuldade em seguir um projeto do início ao fim.
Em lares saudáveis, a criança tem este comportamento e atitudes como modelos. A criança observa o processo e pode eventualmente Ter perguntas durante o seu desenvolvimento. O aprendizado pode ser mais indireto do que direto, mas está presente. Devido a sua experiência Ter sido bem diferente, não deve ser uma surpresa que você tenha problemas em seguir um projeto do inicio ao fim.

Filhos Adultos mentem quando seria mais fácil simplesmente dizer a verdade.
Mentir é a base do sistema familiar afetado pelo álcool. Ele mascara em parte a visível negação de realidades desagradáveis, encobre situações, promessas não cumpridas e inconsistentes. Mentir como norma em sua casa tornou-se parte do que você conheceu e sobre o que pode ser útil para você. De vez em quando, mentir faz a vida muito mais confortável.

Filhos Adultos julgam eles mesmos sem misericórdia.
O seu julgamento dos outros não é nada perto daquele destinado à você mesmo. Branco e preto, bom ou mau, são as maneiras típicas pelas quais você enxerga as coisas. Você sabe o que é se sentir mal, e como esses sentimentos fazem você se comportar. E então, se você esta bem há sempre o risco de que não vá durar. .
Filhos Adultos tem dificuldade em se divertir
Filhos Adultos se levam muito a sério.
Essas duas características estão intimamente ligadas. Você não escuta seus pais rindo , brincando ou relaxando. A vida é uma coisa muito séria. O humor da sua casa não permite que haja algum tipo de relaxamento. Eventualmente você simplesmente convive com os outros.. Se divertir, relaxar, não era permitido. A sua criança interior foi reprimida.

Filhos Adultos tem dificuldades com relacionamentos íntimos.
Os sentimentos de estar inseguro, ter dificuldade em confiar ou de se magoar, não são exclusivos de Filhos Adultos. Esses são problemas que muitas pessoas tem. É simplesmente uma questão de grau, você sendo um Filho Adulto faz com que algumas dificuldades normais venham a ser mais intensas.

Filhos Adultos reagem de forma excessiva quando não tem o controle de uma situação.
O jovem filho de uma família alcoólica ou disfuncional não estava no controle. A vida do alcoólico ou de outro pai/mãe disfuncional foi imposto à eles, assim como seu ambiente. Para sobreviver quando estava crescendo, ele teve que mudar. Ele teve que se encarregar de criar seu próprio ambiente para o desenvolvimento. Isso foi muito importante e muitas lembranças ficaram. O filho de um alcoólico aprendeu a confiar somente nele mais do que em qualquer outra pessoa quando era impossível contar com o julgamento de outra pessoa para ajudá-lo

Filhos Adultos procuram constantemente aprovação e afirmação.
A mensagem que você teve quando criança foi muito confusa. Não havia um amor incondicional. A definição não era clara e a mensagem eram misturadas. "sim, não, eu te amo, vá pra longe". Então você cresceu confuso sobre seu real valor.

Filhos Adultos sentem-se diferentes das outras pessoas.
Sentir-se diferente é algo que você deve ter desde sua infância e mesmo em circunstâncias que não havia garantiam isso o sentimento prevalecia. Outras crianças tiveram a oportunidade de serem crianças, você não. Você estava muito preocupado com o que acontecia em sua casa. Você pode nunca ter se sentido completamente a vontade brincando com outras crianças. Você não estava completamente lá. Você se preocupava com os problemas de sua casa que tomavam espaço de todo o resto em sua vida.

Filhos Adultos são super responsáveis ou muito irresponsáveis.
Ou você pega tudo, ou abandona tudo. Não há o caminho do meio. Você tenta agradar seus pais fazendo mais e mais ou você chega num ponto em que reconhece que isso não importa, então você acaba não fazendo nada.

Filhos Adultos são extremamente fiéis, mesmo quando há evidências de que essa lealdade não é merecida.
O lar alcoólico ou disfuncional parece ser um lugar muito "leal", no qual todos permanecem por vontade própria. A assim chamada lealdade é mais um resultado do medo e da insegurança do que qualquer outra coisa, mas o comportamento que é o modelo, é o de que ninguém abandona o lar porque a partida pode provocar uma situação difícil. Esse sentimento faz com que o Filho Adulto muitas vezes repita esse padrão, ao manter-se em relacionamentos cujo melhor destino seria a separação ou uma ruptura de algum tipo.

13. Filhos Adultos são impulsivos
Filhos Adultos tem a tendência a prender eles mesmos em um modo de agir sem pensar seriamente em comportamentos alternativos ou possíveis conseqüências. Essa impulsividade leva a confusão, uma sensação de auto-ódio e a perda do controle sobre a situação. Alem disso eles perdem uma excessiva quantidade de energia arrumando a bagunça que fizeram

Tipos de Filhos Adultos

A maioria dos livros publicados sobre o assunto Filhos Adultos ou Crianças-Adultas concordam que certos tipos de personalidade são comuns em famílias disfuncionais. Alguns dos livros os chamam por nomes diferentes e nem todos os tipos são encontrados em todos os livros. Abaixo alguns dos tipos.

Herói da família - Um realizador, freqüentemente (mas não sempre) o filho mais velho. Muitas vezes é um workaholic que pode identificar as necessidades dos outros as suprir, mas sem entender suas próprias necessidades. Eles mostram para o mundo exterior que tudo "esta bem", mas não tem como sentir os benefícios de suas conquistas materiais e ou profissionais. Se sentem como uma fraude e estão sujeitos a depressões que ele esconde daqueles que o rodeiam

O Salvador - Parecido com o Herói da Família, mas sem o sucesso visível. O salvador encontra aqueles em necessidade, por vezes casam com eles, ou encontram um trabalho no qual possa suprir as necessidades de outros e são muito compreensivos em relação a traições constantes. Eles tem a tendência a se sentirem inadequados por se doarem demais e por não Ter a capacidade de aceitar ajuda para suas próprias necessidades.

O Mascote - Freqüentemente o filho mais novo, que usa o humor ou outro comportamento atrapalhado como por exemplo ser desajeitado ou estar sempre em apuros para tirar o foco da família de seus problemas . E h do tipo que pode contar uma piada no momento certo para ocupar a cabeça de todo mundo e mante-los afastados da dor da realidade.

O Organizador - Eles nunca são perturbados pelo o que esta ocorrendo. Essas crianças nunca se ligam muito a um objetivo ou um desejo porque aprenderam a mudar de direção a qualquer momento. Eles sabem que algo esta errado, mas lidam com isso, freqüentemente com sucesso, com a seqüência de situações stressantes ao entregar sua identidade as necessidades do momento.

O Capacho- A criança abusada que sobrevive deixando os outros passarem por cima dela, preferindo esse comportamento a um desagradável e as vezes perigoso confronto. Esses filhos tem um entende muito bem as necessidades que os outros tem em abusa-la, mas não consegue identificar seus sentimentos sobre o abuso no passado ou no presente

O rebelde - este filho entra em ação ao menor sinal de provocação, como um herói agindo para prevenir um abuso a outra pessoa (distraindo o abusador) ou para proteger eles mesmos. Este é o filho que ;e mais visível para o mundo externo. e que pode vir a se tornar um adicto ou Ter outro comportamento compulsivo como uma afronta ao sistema familiar.

O Bode expiatório - esse filho leva a culpa e a vergonha pelas ações de outros membros da família por ser o que tem a mais visível disfuncionalidade. Esse filho serve a família sendo o "louco" ou doente que permite aos outros membros da família ignorar seus próprios problemas.
Esses são também os filhos que mantém as famílias juntas -- a família se reúne para ajudar o bode expiatório. Eles aprendem a permanecer problemáticos para continuar a receber a pequena atenção disponível num lar disfuncional por mostrar que a família esta bem, sendo o foco de tudo que não está bem que a família vagamente sente.

A ameaça - Esse filho é freqüentemente vitima de abuso físico, sexual e ou emocional, que com sucesso faz a transição mental para deixar de ser a vitima e passar a ser o abusador. Muitas vezes "A ameaça" esta realmente arrependido de seus atos pela dor e sofrimento causado aos outros, mas continuara a infligir esse abuso para não Ter que se confrontar com a própria dor de ter sido abusado.

A Criança perdida - Freqüentemente um jovem ou o mais novo filhos, esse tipo de personalidade aprendeu a ficar fora do caminha, não fazer suas necessidades reconhecidas e a não esperar nada. Eles evitam sentir, negando que tem sentimentos. Eles adotam qualquer comportamento que permita a continuidade do seu "ficar invisível" no meio da família, do trabalho, da escola ou em um relacionamento. Esse é o filho que pode assumir qualquer personalidade que pareça o menos ameaçadora para aqueles que os rodeiam

A Ultima esperança- Parecido com a criança perdida., A Ultima esperança é um cuidador para a família quando os outros membros se tornaram incapazes de continuar em seus papeis. Freqüentemente a Ultima esperança cresce ouvindo coisas do tipo 'você não vai conseguir me ferir como fulano ou siclano". Esses filhos podem se sacrificar demais tentando fazer "o que é certo", não interessando o quanto isso o prejudique.

Cada um dos tipos de personalidade tem necessidades especiais na recuperação e cada tipo pode se recuperar se eles aceitarem o risco ao acreditar que podem mudar e se recuperar. Um filho adulto pode Ter diversas dessas características de uma vez ou atuar em diferentes papeis dentro da família em diferentes idades ou dependendo da pessoa com a qual ele se relaciona




  Mais notícias da seção psicologa rosangela durao de f no caderno psicologa
17/09/2009 - psicologa rosangela durao de f - APOSTILA PARA O CUIDADOR
COMO LIDAR COM UM IDOSO EM CASA...
17/09/2009 - psicologa rosangela durao de f - APRENDIZAGEM COLABORATIVA
Colaborar, cooperar e interagir para aprender......
12/09/2009 - psicologa rosangela durao de f - Inteligência Emocional
UM DIFERENCIAL NO MERCADO DE TRABALHO...
12/09/2009 - psicologa rosangela durao de f - cuidador
O teste vai ajudar você a ficar ciente de seus sentimentos, pressões e cansaço pelos quais está passando...
12/09/2009 - psicologa rosangela durao de f - estresse
dicas para diminuir o estresse...
12/09/2009 - psicologa rosangela durao de f - ESTRESSE
A palavra "Estresse" vem do inglês "Stress". ...
12/09/2009 - psicologa rosangela durao de f - APOSENTADORIA
POR QUE OS HOMENS NÃO CONSEGUEM LIDAR COM A APOSENTADORIA...
12/09/2009 - psicologa rosangela durao de f - CLEPTOMANIA,
CLEPTOMANIA, um problema velado, é mais comum do que se imagina - Problema pode ter início na infância...
12/09/2009 - psicologa rosangela durao de f - CONCEITO SOBRE A MORTE NAS CRIANÇAS
UMA BREVE CONCEPÇÃO DE COMO AS CRIANÇAS ENTENDEM A MORTE...
12/09/2009 - psicologa rosangela durao de f - CO- DEPENDENCIA
FAMILIA, FILHOS, COMO TRATAR...



Capa |  psicologa  |  psicologa rosangela durao de f
Busca em

  
13 Notícias