| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

Psicologa Rosangela Durão de Freitas
Desde: 12/09/2009      Publicadas: 13      Atualização: 17/09/2009

Capa |  psicologa  |  psicologa rosangela durao de f


 psicologa
  17/09/2009
  0 comentário(s)


APRENDIZAGEM COLABORATIVA
Colaborar, cooperar e interagir para aprender...

Colaborar, cooperar e interagir para aprender...
SUMÁRIO
1. INTRODUÇÃO
2. ELEMENTOS BÁSICOS DA APRENDIZAGEM COLABORATIVA
2.1 " O QUE É APRENDER DENTRO DA CONCEPÇÃO COLABORATIVA.
3. APRENDIZAGEM COLABORATIVA APOIADA POR COMPUTADOR.
3.1 " APRENDIZAGEM COLABORATIVA COM USO DA TECNOLOGIA.
4. CONCLUSÃO
5. BIBLIOGRAFIA
6. ANEXOS
1. INTRODUÇÃO
A aprendizagem colaborativa é considerada um recurso na área da educação ou uma estratégia. Os participantes trazem experiências e conhecimentos diversificados, previamente adquiridos ou construídos e interagem para criar um conhecimento compartilhado. A ênfase desse modo de aprender/ensinar recai sobre essa interação. (Comentário: O conceito de aprendizagem colaborativa é mais uma abordagem/orientação pedagógica que valoriza a interação e o diálogo no processo de construção do conhecimento do que um recurso de ensino. A partir desta compreensão surge uma série de estratégias e metodologias de ensino baseadas em atividades em grupos colaborativos).
No contexto da aprendizagem colaborativa são propiciadas situações de aprendizagem nas quais todos aprendem com todos; isso ocorre em um ambiente cujas características são a ausência de hierarquia formal, o respeito mútuo às diferenças individuais e a liberdade para expor idéias e questionamentos. Os objetivos pessoais se combinam com os objetivos coletivos; são estabelecidas buscas, compreensão, interpretação, etc.
"A rede colaborativa de aprendizagem permite que cada participante possa expressar suas idéias, defendê-las e redefini-las... o que contribui para a construção do conhecimento". (NUNES, 2000, p.2).
O participante assume o papel de aprendiz que interage com os colegas como sujeito ativo do processo. Não há transferência de conhecimento e sim uma possibilidade de produção e construção do conhecimento. O papel do professor muda " ele é um facilitador, um moderador " assim como também se pode mudar o modo de avaliar o aluno, que precisa estar consciente de que essa interação tem a mesma importância para todos que participam desse processo. Segundo Freire (1996, p. 23), "quem ensina aprende ao ensinar e quem aprende ensina ao aprender. (comentário: A aprendizagem colaborativa teoricamente não prevê um professor, hierarquicamente todos são iguais, ninguém ensina, todos aprendem em conjunto. Não há o norteador da aprendizagem, o professor ou mediador pedagógico deve apenas encorajar os alunos a colaborarem, interagirem entre si, a se reconhecerem como um grupo disposto a aprender colaborativamente. Em contextos de sala de aula onde os alunos ainda não alcançaram total autonomia (séries iniciais), o professor pode entrar como facilitador do processo, caminhando para a autonomia cada vez maior dos alunos).
Assim, num ambiente de aprendizagem colaborativa, as possibilidades de inserção de novos recursos e de formas de utilização dos mesmos, levam professores e alunos a reavaliarem seus papéis e a promoverem novas interações sociais. (comentário: me parece que a informação sobre recursos e novos meios de utilizá-los refere-se aos ambientes de aprendizagem mediados pelas tecnologias de informação e comunicação (TICs) e ficou um pouco deslocada nesta parte do texto).
Nesse processo, a afetividade é fundamental... São as ligações afetivas que proporcionam ao aluno segurança para interagir e aprender. Segundo Davis e Oliveira (1994), as emoções estão presentes quando se busca conhecer, quando se estabelece relações com objetos físicos, concepções ou outros indivíduos. Afeto e cognição constituem aspectos inseparáveis, presentes em qualquer atividade. A afetividade e a inteligência se estruturam nas ações e pelas ações dos indivíduos. (comentário: muito importante ressaltar o aspecto emocional. O afeto é elemento importante na aprendizagem colaborativa. Que bom que vocês trouxeram isso no texto. Além do afeto, eu ressaltaria a solidariedade. Para a reflexão sobre o envolvimento destes aspectos pensem nos contextos reais de sala de aula: Como normalmente os alunos dividem-se em grupos? Como nós dividimos as turmas na escola? Na minha época de ensino fundamental (era ginásio) as aulas de inglês tinham turmas separadas em níveis: o que isso significa para a aprendizagem colaborativa? E as turmas de repetentes? Isso mudou? Por quê?)
Além disso, é importante considerar o conhecimento que cada sujeito traz, bem como suas vivências anteriores. Vygotsky (apud GOLDFELD, 2002,p.72-73) ressalta que a criança não entra em contato com a aprendizagem apenas na escola, pois desde o nascimento começa a se relacionar com os adultos e daí recebe informações. A aprendizagem e o desenvolvimento então, estão inter-relacionados desde os primeiros dias e a aprendizagem está sempre um pouco adiante, proporcionando o desenvolvimento. O desenvolvimento está intimamente relacionado às formas socio-históricas às quais a criança está exposta desde o seu nascimento, portanto é com base nessas relações que a criança aprenderá e para onde seu desenvolvimento seguirá. (comentário: A idéia de concepções prévias é importante para qualquer processo educacional, seja colaborativo ou individualizado, não é mesmo? Qual o conceito central que Vygotsky traz em sua obra que torna o contato social fundamental no processo de aprendizagem?).
A aprendizagem colaborativa é, portanto, um processo complexo, de grupo e de troca experiências social e cultural, idéias, práticas sociais, vocabulário onde os envolvidos aprendem a cada momento, trocam experiências e dividem saberes adquiridos ao longo do tempo.
2. ELEMENTOS DA APRENDIZAGEM COLABORATIVA.
2.1 - O QUE É APRENDER DENTRO DA CONCEPÇÃO COLABORATIVA
Aprender é construir competência, é conseguir fazer o que antes não se conseguia fazer, e, portanto, envolve ampliação da autonomia (referência?) . Sendo uma capacidade humana, competência é algo que o ser humano não traz consigo ao nascer: ele tem de adquiri-la - e é através da aprendizagem que ele a adquire.
Educação é o nome dado a esse processo de aquisição ou construção de competências através da aprendizagem, com vistas à crescente autonomização do indivíduo (precisa de referência, porque esta afirmação não é um consenso, é a visão de um autor/grupo) . E a aquisição de competências, embora se dê em um processo de colaboração com outros seres humanos, não se dá "à revelia do indivíduo", isto é, sem sua ativa participação. (comentário: Se vocês colocarem todo esse parágrafo no Google, verão que os 4 primeiros sites terão o mesmo parágrafo igualzinho! Cuidado com o plágio na produção textual em grupo, coloquem em itálico e citem a referência com a página de onde vocês extraíram o trecho).
É por isso que se afirma, corretamente, que a aprendizagem é sempre ativa e colaborativa - o termo "colaboração" sendo composto de elementos que enfatizam a "ação" em "trabalho conjunto" (co-labor). A construção da aprendizagem é algo que só acontece quando o aluno é ativo, quando está interessado no que está fazendo, quando sua motivação é intrínseca, não extrínseca. Isso significa, que a aprendizagem, para ser bem sucedida, é auto-gerada ou auto-iniciada, e, não só isso, mas, também, auto-conduzida e auto-sustentada. Ela decorre daquilo que o aluno faz, não de algo que o professor faz nele, para ele ou por ele. (comentário: o mesmo acontece com esse parágrafo!).
Aprender é buscar conhecimentos sobre determinada coisa, sobre algum assunto, sobre o que não temos condições de discernir. Desde bebês aprendemos várias coisas de acordo com as nossas necessidades. Chorávamos quando queríamos comida, quando estávamos molhados, com sono, com dor, etc. E conforme crescemos aprendemos tudo o que é de nosso interesse e necessidade. Quando interagimos com alguém no processo de aquisição do conhecimento, estamos em colaboração. É um repartir, um auxiliar. Se aprendermos em grupo, discutirmos e chegarmos a um consenso sobre a melhor forma. No fim, ou não, já que há um eterno aprender, chegamos a um ponto satisfatório, em que o conhecimento foi construído e adquirido.
Dessa maneira, a aprendizagem não acontece sozinha, ela ocorre por meio da interação social com outras pessoas. Isto é, para aprendermos necessitamos da colaboração das pessoas que estão inseridas no meio em que vivemos.
O aprender é a compreensão inteligível que o ser humano adquire numa confrontação de conhecimentos. Pensando dessa maneira, podemos concluir que aprender interagindo com outro indivíduo, é construir um conceito após compartilhar opiniões diversificadas, pois, não existe produto propriamente final, ou seja, o conceito de aprendizagem que criamos depois de confrontos de idéias não deve ser considerado o verdadeiro, absoluto e sim, ser questionado mais uma vez para então ser rediscutido e se chegar a um consenso de validade da aprendizagem adquirida. (comentário: Importante! Estamos chegando lá. Em que aspecto do desenvolvimento cognitivo a colaboração atua? Participem do fórum da próxima atividade!)
Aprender colaborativamente é estar aberto ao conhecimento, ao novo, ao seu próximo, ao seu aluno. É muito gratificante ensinar e compartilhar nossas experiências, porém, ainda melhor, é perceber que neste processo não se percorre uma "via de mão única". Sem nos darmos conta, aprendemos muito além do que ensinamos. É como uma ponte: de um lado nós; pais e professores; e do outro nosso filhos e alunos. Essa ponte permite o ir e vir de fatos; compartilhamos nossas experiências, desejos, medos e nossas dúvidas.
É fundamental levar nossos alunos a pensar e refletir sobre os fatos e acontecimentos que estão inseridos, permitindo que percebam sua participação, presença e influência no mundo como um todo. Assim, estaremos viabilizando a aprendizagem de forma colaborativa, pois o melhor professor não é o mais eloqüente, mas o que mais instiga e estimula a inteligência. É importante estimular habilidades como: criatividade, dinamismo, consciência crítica, expressão pessoal, trabalho em equipe, autonomia, entre outros.
Todo o desenvolvimento desta atividade se transformou em uma aprendizagem colaborativa. As postagens enriqueceram o conceito que tínhamos e os conceitos que precisamos ter em conjunto aos desafios atuais da educação. (comentário: Para nós da equipe, mais do que uma atividade conceitual, esta atividade tinha como objetivo a vivência da colaboração, para que a teoria entre de maneira significativa, relacionada com a prática e seus imensos desafios. Estão prontos? A partir de amanhã (dia 10/08) participem do fórum discutindo a teoria 1).
3. APRENDIZAGEM COLABORATIVA APOIADA POR COMPUTADOR
A criação de ambientes de Aprendizagem Colaborativa Apoiada por Computador (ACAC) é o reflexo mais atual deste novo enfoque da aprendizagem, fundamentada nas idéias de desenvolvimento cognitivo individual de Piaget e Vygotsky, entre outras. Ao trabalhar-se com esta área, a primeira polêmica que ocorre é a referente à utilização dos termos aprendizagem "colaborativa" ou "cooperativa". PANITZHYPERLINK "http://penta.ufrgs.br/pgie/sbie99/acac.html#panitz" (1996) fez uma revisão sobre esta controvérsia, concluindo que colaboração implicava em um processo mais aberto, onde os integrantes do grupo interagem para atingir um objetivo comum, enquanto que na cooperação existe uma organização maior do grupo, com um maior enfoque no controle da situação pelo professor.
De acordo com VARELLA (falta o ano aqui e a referência completa no final do texto) , a aprendizagem colaborativa aliada à tecnologia potencializa as situações em que professores e alunos pesquisem, discutam e construam individualmente e coletivamente seus conhecimentos. O computador pode ser considerado como um recurso para a aprendizagem colaborativa, pois além de servir para a organização das mais diversas atividades, pode ser um meio para que os alunos colaborem uns com os outros nas atividades de grupo.
(Comentário: Mesmo sem ser fundamental para a conceituação proposta na atividade, não é por acaso que vocês trazem esse item no texto do grupo. O conceito de aprendizagem colaborativa ganhou destaque nos trabalhos acadêmicos a partir do desenvolvimento das TICs e seus espaços democráticos de colaboração).
3.1 - APRENDIZAGENS COLABORATIVAS COM O USO DA TECNOLOGIA
Ao tratarmos sobre a aprendizagem colaborativa no uso da tecnologia, temos que ter clareza em relação à proposta pedagógica para o desenvolvimento e uso das ferramentas no espaço virtual, tornando possível trabalhar efetivamente a construção do conhecimento, criando condições favoráveis para a construção do ensino e da aprendizagem. Dessa forma, deverá haver a disponibilização de ferramentas que viabilizem a interação aliada ao processo avaliativo.
Muitos são os autores que defendem e enfatizam uma proposta de aprendizagem construtiva e que procuram expressar suas opiniões de diferentes maneiras (referências? Exemplos de autores?) . Entretanto, trabalhar com a aprendizagem em um ambiente inovador, exige o auxílio dos professores na adaptação do aluno, esclarecendo os objetivos das atividades propostas e atenção às suas atitudes, mediando e facilitando todo o processo, para tornar o ambiente um suporte para o aprendizado. A colaboração com o grupo poderá ser explorada pelo aluno no momento em que o mesmo se sentir mais inspirado ou no seu tempo disponível para o estudo. Essa flexibilidade facilita a aprendizagem, já que o mesmo deverá ser organizado e planejado.
Abaixo, seguem algumas ferramentas colaborativas (e/ou sociais que podem ser) utilizadas para a construção do conhecimento:
1. CHAT
Esta é uma atividade em que os participantes do curso, alunos e professores estabelecem uma comunicação em tempo real, por escrito, com data, temática e hora pré-estabelecidas.
2. FÓRUM
O fórum é uma ferramenta de interação coletiva assíncrona que propicia o debate de questões relacionadas aos temas abordados nos tópicos do curso, bem como a troca de experiências entre todos os participantes da sala.
3. DICIONÁRIO
O dicionário é uma ferramenta que é utilizada para o aluno compreender alguns termos utilizados nas diversas áreas do conhecimento.
4. TAREFAS
O recurso da tarefa é utilizado para descrever ou enunciar uma atividade a ser desenvolvida individualmente pelos alunos. Permite que a resposta seja encaminhada em formato digital, podendo ser redações, projetos, relatórios, imagens, etc. É também através deste recurso que você recebe do tutor o feedback sobre a sua atividade realizada e a nota por ele atribuída. (Comentário: aqui há uma confusão entre ferramentas da internet e recursos criados em plataformas de autoria de cursos como o Moodle, por exemplo. Tarefa é um nome dado a um recurso de algumas dessas plataformas, que envolve o envio de arquivos).
5. WIKI
Wiki é uma coleção de páginas interligadas em que qualquer pessoa pode visitar ou editá-la (só não poderá ser editada ou visitada se o professor configurar a sala em grupos separados, caso isso aconteça você só poderá interferir na página em que o seu grupo está cadastrado e só poderá visualizar e editar o espaço reservado para o seu grupo). O wiki é mais simples e democrática forma de construção colaborativa de conteúdos e de páginas web, pois mesmo sem conhecimentos específicos, todos podem contribuir e participar. (Comentário: novamente aqui há uma confusão entre ferramentas da internet e recursos criados em plataformas de autoria de cursos como o Moodle. A wiki é uma ferramenta da internet essencialmente colaborativa onde não há professor. Visitem a Wikipédia e vejam o conceito de aprendizagem colaborativa lá. Vocês podem editá-lo a qualquer momento e participar de uma grande comunidade de elaboração de conceitos e aprendizagem. Vocês também podem criar wikis com seus alunos dentro desta mesma proposta. Visite http://www.wikispaces.com/ , é uma ferramenta em inglês, mas se precisarem de ajuda podem contar comigo).
4. CONCLUSÃO
Sobre aprendizagem colaborativa podemos perceber que "o aprender juntos", "aprender com o outro", "ensinar a aprender" e "aprender a aprender" estão intrinsecamente unidos. Há uma parceria entre os elementos que se organizam com um determinado objetivo comum, seja na elaboração de um projeto ou em atividades mais simples, o importante é compartilhar o conhecimento, onde aquele que aprende, de repente é aquele que ensina. A aprendizagem construída coletivamente é mais rica, mais significativa.
A aprendizagem significativa é um processo por meio do qual uma nova informação relaciona-se, de maneira substantiva (não-literal) e não-arbitrária, a um aspecto relevante da estrutura de conhecimento do indivíduo. Em outras palavras, os novos conhecimentos que se adquirem relacionam-se com o conhecimento prévio que o aluno possui.
Sobre Aprendizagem Colaborativa acreditamos que signifique antes de qualquer coisa, aprender a aprender juntos e é durante esse processo de aprendizagem que vamos determinando o caminho que precisa ser percorrido na construção do próprio conhecimento. Conhecimento esse que durante o processo de busca, dentro dos termos colaborativos passa a ser um produto de todos.
Um aspecto importante que pode contribuir muito na Aprendizagem Colaborativa é crítica a própria prática educativa. Quando revemos a nossa postura, partimos para pesquisa e tentamos nos ajustar, é porque estamos realmente envolvidos com a questão ensino-aprendizagem e todas as formas que com elas estão envolvidas, pois como afirmou Paulo Freire: "ensinar exige criticidade".
Na Aprendizagem colaborativa, o sujeito histórico-social, também participa da sociedade e de sua própria história no convívio com os outros, pois todos os indivíduos fazem parte dessa mesma sociedade, constroem e influenciam a cultura.
(Comentário: Nas conclusões vocês indicaram a importância de rever a própria prática e acho que caberia uma reflexão do grupo neste sentido. Deixo então uma questão para reflexão: Qual é o espaço da aprendizagem colaborativa nas escolas onde vocês atuam? Qual é o papel dos alunos na aprendizagem dos outros colegas?
A conceituação do grupo está bem completa. É importante salientar o caráter não-hierárquico, afetivo e solidário dessa relação de aprendizagem. Prestem atenção à forma de usar as referências. Elas devem vir no corpo do texto entre parênteses após o trecho que nelas foi baseado. Os anexos também devem ser referenciados no corpo do texto, de outra forma não sabemos ao que eles se relacionam.
Estamos muito satisfeitas com a produção do grupo. A partir dessa construção podemos iniciar a discussão de textos que nos possibilitem avançar o estudo do tema.
Parabéns pelo esforço da coletividade!)
5. BIBLIOGRAFIA
- GRAMSCI, A. Concepção Dialética da História. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 1981.
- BERCHT, M.; MOISSA, H.E.M; VICCARI, R.M. Identificação de fatores motivacionais e afetivos em um ambiente de ensino e aprendizagem. SBIE"99 " Simpósio Brasileiro de Informática na Educação. November 23-25, 1999, Curitiba, PR (Pôster).
- DILLENBOURG P., Baker M., Blaye A. and O"Malley C. The evolution of Research on Collaborative Learning. In Spada and Reimann (eds) Learning in Humans and Machines. Ed. Elsevier, 1994. Piaget, J. A psicologia da criança. Rio de Janeiro: Ed. Bertrand Brasil, 1998.
- DELORS. J. (org.) (2001). "Educação, um tesouro a descobrir". Relatório para a UNESCO, da Comissão Internacional sobre Educação para o Século XXI. 6 ed. São Paulo:Cortez.
GOLDFELD,M.A Criança Surda:Linguagem e Cognição numa perspectiva sociointeracionista.3ª ed.São Paulo:Plexus,2002.
- VYGOTSKY, L. A formação social da mente. São Paulo: Ed. Martins Fontes, 1989
- FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Editora Paz e Terra, 1996 (Coleção Leitura)
- Internet: www.escolaconectada.org.br
6. ANEXOS
ANEXO 1
Somos Loucos,
De loucos uns pelos outros! Que em seus surtos de loucura tenham habilidades suficientes para agir como treinadores de um mundo melhor. Que olhem a ética, o respeito às pessoas e a responsabilidade social não apenas como princípios organizacionais, mas como verdadeiros compromissos com o Universo.
Precisa-se de loucos de paixão. Não só pelo trabalho, mas principalmente por gente, que vejam em cada ser humano o reflexo de si mesmo, trabalhando para que velhas competências dêem lugar ao brilho no olhar e a comportamentos humanizados.
Precisa-se de loucos de coragem para aplicar a diversidade em suas fileiras de trabalho, promovendo igualdade de condições sem reservas, onde as minorias possam ter seu lugar, em um ambiente de satisfação e crescimento pessoal, independente do tamanho do negócio, segmento ou origem do capital.
Precisa-se de loucos visionários que, além da prospecção de cenários futuros, possam assegurar um novo amanhã, criando estratégias de negócios que estejam intrinsecamente ligadas à felicidade das pessoas. Primeiro a gente é feliz, depois a gente faz sucesso, não se pode inverter esta ordem.
Precisa-se de loucos pelo desconhecido que caminhem na contramão da história, ouvindo menos o que os gurus têm a dizer sobre mobilidade de capitais, tecnologia ou eficiência gerencial e ouvindo mais seus próprios corações. Precisa-se de loucos poliglotas que não falem inglês, espanhol, francês ou italiano, mas que falem a língua universal do amor, do amor que transforma, modifica e melhora. Palavras não transformam empresas e sim atitudes.
Precisa-se simplesmente de loucos de amor. De amor que transcende toda a hierarquia, que quebra paradigmas; Amor que cada ser humano deve despertar e desenvolver dentro de si e pôr a serviço da vida própria e alheia; Amor cheio de energia, amor do diálogo e da compreensão, amor partilhado e divino, do jeito que Deus gosta.
As organizações precisam urgentemente de loucos, capazes de implantar novos modelos de gestão, essencialmente focados no SER, sem receios de serem chamados de insanos, que saibam que a felicidade consiste em realizar as grandes verdades e não somente em ouvi-las" Ou resgatamos a inocência perdida ou teremos que desistir de vez da condição de HUMANOS. Qual vai ser a sua atitude?
(Maria Madalena)
ANEXO 2
TERMOS LIGADOS ÀS NOVAS TECNOLOGIAS:
Blog
Blog é uma abreviação de "weblog", que deriva por sua vez de "log-book" (diário de bordo ou livro de registros). Muitos usam esta ferramenta à disposição na internet para fazer o seu diário eletrônico. O programa pode ser baixado gratuitamente, por diferentes provedores, e permite a interação com qualquer internauta. Mas o blog não serve apenas como diário pessoal. É um ótimo canal, e bem fácil de trabalhar, para relatar projetos, inserir textos e fotos. Com ele, se cria o hábito de registro e se divulgam boas iniciativas. É uma ótima estratégia para dar a palavra aos estudantes e desenvolver a sua criatividade.
Comunidade Virtual
Uma comunidade virtual é um conjunto de pessoas que compartilham interesses comuns e interagem para diversos fins, utilizando para isso a Internet ou outras redes colaborativas. Muitos consideram que, para ser considerada uma "comunidade", é preciso que se estabeleçam interações longas e com suficiente emoção para se estabelecerem redes de relacionamento no ciberespaço. Para que a interação pela Internet possa se estabelecer, foram sendo desenvolvidas algumas "ferramentas" que a permitam, com diferentes características, mas todas com o objetivo de colocar pessoas em contato com pessoas.
Download
Trazer via rede, um arquivo da internet para seu computador.
Email
É o correio eletrônico na internet.
Hipertexto
Um texto que dá acesso a diversos outros textos através dos links.
HTML (Hypertext Markup Language - Linguagem de Marcação de Hipertexto)
É a linguagem que usamos para fazer páginas na internet.
JPG e GIF
Formato das imagens que são aceitas para publicação na internet. O ideal é que elas tenham tamanho máximo de 5k.
Link
Permite que através de uma palavra ou objeto se tenha acesso a outro objeto ou página. A internet é toda "hiperlink Ada" o que a faz ser hipertextual.
Netiqueta
Conjunto de regras de etiqueta sobre como o indivíduo deve proceder quando utiliza a rede, principalmente em relação ao correio eletrônico.
Online
Qualquer atividade executada enquanto o computador estiver conectado a outro computador ou a uma rede.
Outlook
É um programa de computador (da Microsoft) que serve para o recebimento de mensagens de email. É especialmente útil para quem recebe muitas mensagens por dia, para ajudar no gerenciamento delas.
POP3
É um protocolo de troca de dados, usado para o envio e recebimento de mensagens de correio eletrônico.
Scanner
Equipamento que permite a digitalização de textos e imagens para serem visualizados no computador.
Site
É um conjunto de páginas, relacionadas, na internet, que representam um espaço de interação. Um site também pode ser uma única página.
Upgrade
Atualização, nova versão.
Upload
Mandar um arquivo do seu computador para a internet.
Vírus
É um programa que normalmente se dissemina por meio de contato com um sistema contaminado (disquete ou computador). Ele infecta outros programas e/ou o sistema operacional (que gerencia o funcionamento do computador). Dessa forma, prejudica o desempenho do computador e, muitas vezes, chega a causar danos irreparáveis, tais como a destruição de todo o conteúdo de um disco rígido.
Web
Significa teia e se refere à própria internet ("Isso você encontra na web").
Webmail
É o serviço de correio eletrônico feito para ser usado no formato de página na internet. Veja também POP3 e "e-mail". ("Como estava em viagem, olhei minhas mensagens pelo Webmail").



  Mais notícias da seção psicologa rosangela durao de f no caderno psicologa
17/09/2009 - psicologa rosangela durao de f - APOSTILA PARA O CUIDADOR
COMO LIDAR COM UM IDOSO EM CASA...
12/09/2009 - psicologa rosangela durao de f - Inteligência Emocional
UM DIFERENCIAL NO MERCADO DE TRABALHO...
12/09/2009 - psicologa rosangela durao de f - cuidador
O teste vai ajudar você a ficar ciente de seus sentimentos, pressões e cansaço pelos quais está passando...
12/09/2009 - psicologa rosangela durao de f - estresse
dicas para diminuir o estresse...
12/09/2009 - psicologa rosangela durao de f - ESTRESSE
A palavra "Estresse" vem do inglês "Stress". ...
12/09/2009 - psicologa rosangela durao de f - FILHOS ADULTOS DE ALCOÓLICOS
O que é um filho adulto? ...
12/09/2009 - psicologa rosangela durao de f - APOSENTADORIA
POR QUE OS HOMENS NÃO CONSEGUEM LIDAR COM A APOSENTADORIA...
12/09/2009 - psicologa rosangela durao de f - CLEPTOMANIA,
CLEPTOMANIA, um problema velado, é mais comum do que se imagina - Problema pode ter início na infância...
12/09/2009 - psicologa rosangela durao de f - CONCEITO SOBRE A MORTE NAS CRIANÇAS
UMA BREVE CONCEPÇÃO DE COMO AS CRIANÇAS ENTENDEM A MORTE...
12/09/2009 - psicologa rosangela durao de f - CO- DEPENDENCIA
FAMILIA, FILHOS, COMO TRATAR...



Capa |  psicologa  |  psicologa rosangela durao de f
Busca em

  
13 Notícias